Acessibilidade Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página Principal > Relações Internacionais > Cooperação Internacional > Parcerias e acordos em Defesa
Início do conteúdo da página

Parcerias e acordos em Defesa

O Brasil desenvolve parcerias estratégicas com nações de todos os continentes, em diferentes áreas de atuação da Defesa. As atividades abrangem desde o intercâmbio em escolas militares até discussões importantes sobre segurança internacional, permeando um amplo leque de temas de interesse. 

Por meio de parceira com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), diversas ações de cooperação foram empreendidas. O Exército Brasileiro, por exemplo, viabilizou cursos de treinamento regulares para cerca de 90 militares latino-americanos e africanos. Nesses cursos, oficiais e suboficiais de nações amigas puderam receber conhecimentos específicos da experiência militar brasileira.

No âmbito da Marinha, uma iniciativa de destaque foi o apoio na formação da Marinha de Guerra da Namíbia – cerca de 1,2 militares africanos foram treinados no Brasil pela Força Naval. Já a Força Aérea Brasileira (FAB) tem mantido há mais de três decadas, com o Paraguai, sua mais antiga missão cooperativa no exterior: a Missão Técnica Aeronáutica Brasileira (MTAB), instalada em 1982.

Veja, abaixo, outros exemplos de iniciativas bilaterais em andamento com nações amigas:

Cabo Verde

  • Missão naval do Brasil no país;
  • Formação de oficiais e praças do país africano em instituições de ensino militar brasileiras;
  • Exercícios conjuntos de patrulhamento aéreo no mar;
  • Doação de uniformes aos membros da Guarda Costeira de Cabo Verde;
  • Interesse em fortalecer mecanismos de prevenção e combate às chamadas “novas ameaças” (pirataria, pesca ilegal e tráfico de drogas e pessoas) no Atlântico Sul,  importante rota marítima para o comércio de ambas as nações; entre outros.

Argentina

  • Estudos para aprimoramento conjunto do setor de defesa cibernética;
  • Intercâmbio de pessoal em cursos de guerra cibernética;
  • Apoio à operação brasileira na Antártica;
  • Entendimentos para o desenvolvimento de um VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado) regional, com a definição conjunta das características do equipamento;
  • Desenvolvimento do projeto KC-390, que irá substituir os aviões Hércules e tem na indústria argentina importante fornecedor de peças e componentes na fabricação da aeronave;
  • Interesse argentino pelo blindado Guarani, novo carro de combate brasileiro ; entre outros.

Grupo de Visegrád (Hungria, Polônia, República Checa e Eslováquia):

  • Possibilidades concretas de cooperação em áreas de interesse do Brasil, tais como o desenvolvimento do avião cargueiro militar KC-390, que tem participação direta da República Checa;
  • Defesa cibernética;
  • Formação militar;
  • Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (DQBN);

Ucrânia

  • Parceria com a Força Aérea Brasileira para o Projeto Cyclone 4, iniciada em 2003 com o objetivo de lançar, a partir do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, o foguete Cyclone-4;

Rússia

  • Criação de grupos de trabalho nos setores de segurança cibernética e espacial;
  • Diálogo político-estratégico entre as duas nações nas áreas de defesa e segurança internacional;
  • Negociações para aquisição dos sistemas de defesa antiaérea russos de curto e médio alcance (Igla e Pantsir-S1);
  • Aquisição de 12 helicópteros de ataque MI-35;
  • Intercâmbio de oficiais nas escolas militares; troca de know-how sobre a realização de grandes eventos;
  • Aviação militar.
Fim do conteúdo da página